At tu, Catulle, destinatus obdura

catullo1

Miser Catulle, desinas ineptire
et quid vides perisse perditum ducas.
Fulsere quondam candidi tibi soles,
cum ventitabas quo puella ducebat
amata nobis quantum amabitur nulla.
Ibi illa multa cum iocosa fiebant,
quae tu volebas nec puella nolebat,
fulsere vere candidi tibi soles.

Nunc iam illa non vult: tu quoque impotens noli
nec quae fugit sectare, nec miser vive,
sed obstinata mente perfer, obdura.
Vale puella, iam Catullus obdurat,
nec te requiret nec rogabit invitam.
At tu dolebis, cum regaberis nulla.
Scelesta, vae te, quae tibi manet vita?
Quis nunc te adibit? Cui videberis bella?
Quem nunc amabis? Cuius esse diceris?
Quem basiabis? Cui labella mordebis?
At tu, Catulle, destinatus obdura.

…………………………..

Pobre Catulo, desiste da tolice,
e o que vês cessado, perdido considera.
Brilhavam outrora para ti os alvos sóis,
Quando ias onde a tua amada te levava,
Amada por ti quanto nenhuma será.
Ali com ela muitas graças se faziam,
que tu querias e que ela não negava.
Brilhavam de facto para ti os alvos sóis.

Agora já não quer: impotente, tampouco queiras,
Nem persigas a que foge, nem vivas triste,
Mas com obstinada mente segue, resoluto.
Adeus amada, Catulo fez-se duro,
Não te procurará nem rogará em vão.
Mas tu sofrerás, não ser rogada por ninguém.
Ai de ti, celerada, que te tratá a vida?
Quem te visitará? Quem te verá bela?
Quem ora amarás? De quem dirão que és?
Quem beijarás? De quem os lábios morderás?
Mas tu, Catulo, resoluto perdura.

Gaius Valerius Catullus [Carmen 8]